Parece mentira, mas a China foi nomeada para o painel do Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas

A grande mídia como sempre deixa de noticiar coisas tão importantes como essa. Um GOVERNO COMUNISTA vai tomar decisões para o mundo inteiro no que diz respeito aos direitos humanos.

Na última quarta-feira (1), a China foi nomeada para o painel do Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas. Com isso, o regime comunista participará ativamente da escolha dos investigadores de direitos humanos internacionais, incluindo a contratação de monitores globais sobre “liberdade de expressão”, saúde, desaparecimentos forçados e detenção arbitrária.

Infelizmente, parece que a ONU tem ignorado a história do mundo, a qual mostra o regime comunista da China privando as pessoas de exercerem liberdade de expressão e se alimentando de quase todos tipos de animais, inclusive os domésticos. Vale lembrar que o coronavírus pode ter surgido de uma dessas “iguarias” vendidas em mercados livres, como, por exemplo, o morcego, trazendo assim um mal global para saúde humana. Destaca-se também os acontecimentos recentes de dois repórteres desaparecidos por falarem contra o governo comunista e o caso do médico Li Wenliang, que, em dezembro (2019), denunciou sobre o vírus chinês e, obrigado a assinar um documento dizendo que estava mentindo, faleceu logo após o ocorrido. 

Essa decisão da ONU soa um pouco estranho para muitas pessoas, entre elas está o diretor da ONG UN Watch, que criticou essa nomeação da China dizendo: “Absurdo e imoral”.

Permitir que o regime opressivo e desumano da China escolha os investigadores mundiais sobre liberdade de expressão, detenção arbitrária e desaparecimentos forçados é como transformar um piromaníaco no chefe dos bombeiros da cidade.” disse Hillel Neuer, diretor executivo da UN Watch em um comunicado de imprensa em 2 de abril.

Mesmo com sua longa história de abusos graves contra os direitos de grupos religiosos, dissidentes e minorias étnicas, o regime chinês foi nomeado para um painel do Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas (ONU).

Enquanto o mundo sofre com a pandemia mortal de coronavírus que se espalhou como um incêndio florestal em Wuhan, enquanto a China silenciou médicos, jornalistas e outros cidadãos que tentaram soar o alarme, qual era a lógica para Pequim estar envolvida na eleição do próximo monitor global da ONU sobre o direito à saúde?”, Disse Neuer