Para negociar dívida com o FMI, Argentina pede ajuda a Bolsonaro

Estão sendo feitos pedidos de ajuda a vários países, por parte do governo de Alberto Fernandez está pedindo, para Argentina sanar ou tentar sanar o que deve ao FMI.

Felipe Solá, chanceler da Argentina, nessa quarta-feira (12) passada, afirmou em Brasília, após se reunir com o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, que está pedindo não só ao governo brasileiro apoio para negociar com o FMI a dívida que o país tem mas como também a diversos países: “Pedimos ao Brasil que também nos apoie, da maneira que possa, no Fundo Monetário Internacional, porque é o primeiro degrau de uma escada que segue depois. No caso de fazermos um bom acordo, talvez possamos pedir mais tempo”. Após uma reunião com Araújo e outros membros do governo do Brasil que a declaração foi feita.

A Argentina possui uma dívida de cerca de U$S 44 bilhões ao Fundo Monetário Internacional (FMI). É a primeira vez que Felipe Solá vem Brasil depois que Alberto Fernandéz foi empossado.

Um prazo, que é até 31 de março, foi estipulado por Fernández para renegociar a dívida pública da Argentina, que caminha em passos largos. Fernández disse que um Fundo Monetário Internacional "mais inovador" tende a apovar as medidas que estão sendo tomadas pelo governo argentino.